Mostrando postagens com marcador Agriturismo Borgo della Colomba. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Agriturismo Borgo della Colomba. Mostrar todas as postagens

sábado, 7 de outubro de 2017

Pasta!!! Porque te quero eternamente pasta

Quando se trata de comer bem (para saciar a fome e proporcionar benefícios à saúde), em minha opinião, o povo italiano compõe uma instituição da culinária mundial. Cultura essa propagada por todos os continentes e motivadora pela forma que muita gente cozinha atualmente. Os ingredientes frescos, em sua maioria orgânicos, vindos da horta para a mesa difundem o ato de comer bem, de forma descomplicada. Isso porque cultura foi preservada e influenciou os pratos mais amados da culinária do país em questão.
Por estas bandas, exemplo não faltou. Quando criança, eu e minhas irmãs dávamos nomes às galinhas. E quando não encontrávamos alguma delas no galinheiro, também não víamos minha irmã mais nova à mesa. No entanto, eu mais Fran, a mais velha, batíamos ponto e disputávamos o pescoço, asas e pés da galinácea preparada à perfeição. O importante era o sabor primoroso agregado pela vó Maria em cada erva que tirava da horta para na panela colocar.

Hoje, não vejo mais pequenos galinheiros. Nas casas, as hortas minguaram. A do Pastifício (uma pequenina réstia do que era a horta da vó Ida) está a cada dia mais prolifera. Mas nada se compara à dela. Tempos em que a maioria das pessoas à terra e à natureza tinham apreço – não só endereço. Neste mesmo terreno, ladeira abaixo, abóboras de todas as famílias proliferavam, ao lado de melancias, chuchu e dezenas de verduras e frutas. Hoje, fundo de vale aterrado por quem nem merece ser citado. Gente que tem nome e sobrenome, mas não merecedor do que come.

No que se refere às massas, o endereço de origem pode não ser de nenhuma província italiano. Fato é que lá fincou raízes e transforma-se em banquete em segundos. Com ingredientes frescos, cozinha descomplicada, simples. Uma bela massa curta seca, ou uma longa, fresca, com tomates, ou cogumelos, ou simplesmente regada com azeite, manteiga, pimenta do reino mais parmigiano regiano mexido e remexido até encorpar.... não há o que inventar. Apenas, à mesa sentar e mangia che te fa bene.

Com certa experiência no preparo das massas artesanais, em minutos o cardápio de um especial almoço de domingo é elaborado, sempre com massas à massa. Entre as recheadas preteridas das últimas semanas, o ravioloni, , o tortellini, o agnolotti e a eterna pasta longa, o fettuccine. Para todos os formatos, verduras salteados, cogumelos ou um sugo cozido morosamente, casa perfeitamente.

Velox-Luxo em ação - Para elaborá-las, a clássica máquina de preparar massa "Velox-Luxo" continua firme e atuante. Aqui, no Pastifício temos duas, benditas heranças. Resultado sem igual. Lâminas lindas, leves e delicadas, perfeita para a elaboração de diversos exemplares.....
No mais, abra a geladeira e vá até a horta, ao menos, ao pequeno pedaço de terra onde pode tudo proliferar e de lá, a massa fantasiar!!!!

agnelotti já cozido salteando na manteiga com folhas de sálvia
Agnolotti de carne ao vinho com catupiry,
 servido com redução de caldo de carne
'mar' de sálvia

















sexta-feira, 3 de julho de 2015

Fettuccine é massa fina!!!

Finas lâminas de massas cortadas no formato de fettuccine, cozidas por apenas dois minutos em água fervente, salteadas na manteiga de ervas (para a ocasião, sálvia da horta) e, depois, servidas em pratos individuais, delicadamente dispostas, regadas com azeite e salpicadas com parmesão de boa qualidade. Punto e basta!!!!  É mágica pura. É isso. Quanto você menos espera, um novo sabor desperta; uma textura inédita aparece. E ‘contra fatos, não há argumentos’.
Fettuccine na manteiga de ervas
Trata-se de um fogão a lenha (a todo vapor) sobre o qual dispus duas ou três lâminas das dezenas feitas para compor as lasanhas (do CLUBE DA LASANHA), cortadas no formato em questão. É questão da natureza – calor na medida perfeita. Secaram de forma uniforme. Quando colocadas na água fervente a intuição é quase de tirar imediatamente. QUASE.  Ingredientes e natureza. Nada mais do que isso. É o que os meus queridos amigos Gianni e Cris me ensinaram nas vezes em que no Il Borgo della Colomba estive e onde espero em breve retornar. No mais, um quilo de farinha, uma dúzia de ovos com gema caipira e o formato que desejar estará ao seu dispor.







segunda-feira, 29 de junho de 2015

Gnocchi, deliciosa superstição

No dia 29 de cada mês, tornou-se tradição degustar este prato para ter sorte nas semanas seguintes. Realidade ou não, a superstição - reza a lenda, surgida na Itália - colabora, e muito, com a propagação de receitas diversas e com o consumo da iguaria. Quando preparado à perfeição (com a quantidade correta de batata e farinha) é leve e absorve o molho que cobre cada um dos gnoccho que compõe o prato. Esta receita foi  preparada  à base de batata (1 kg) e semolina (300 gramas), conforme dita o receituário italiano, confirmado, antes do preparo, por Gianni, do Il Borgo della Colomba ("si corretto 1 kg patate 300 gr. farina cuoci le patate poi passale nello spremi patate dopo raffreddate aggiungi la farina e inpasti e il gioco e fatto)
Buon appetito.
Grazie, Gianni e Cris.

No mais, é finalizar com os ingredientes que mais se adequarem ao paladar de cada um. No caso, nacos de alho dourados no azeite, tomates italianos cortados em pedaços grandes, depois salteados, molho sugo já previamente pronto e, para quem desejar, carne cozida, que pode ser agregada ao molho ou a cada prato. Para a ocasião, posta vermelha (lagarto) cozido morosamente com ervas frescas, cenoura, salsão e cebola. 
           

Trilogia de nhoque a quatro mãos

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Frescuras que refrescam e proporcionam saúde

Misturas de texturas revelam novos sabores a pratos do dia-a-dia
Alguns ingredientes básicos utilizados na composição de pratos têm a abençoada propriedade de refrescar o corpo, beneficiar a saúde e tornar uma simples refeição em preparos de muito sabor. Um singelo exemplo são legumes grelhados em uma chapa de ferro (no caso, lâminas de abobrinha e de berinjela), regados com azeite e salpicados com ervas frescas mais sal grosso. Esse prato, que pode assumir as vezes de um antepasto ou mesmo de refeição principal, só ganhou destaque em decorrência da mistura de texturas e da utilização da grelha sem gordura, que mantém intactas as propriedades nutricionais dos legumes, revelando sabores diversos.

endívia assada com balsâmico e cogumelos com tomilho e azeite
Outro aliado para preparações exemplares é o papel alumínio. Quando usado como embalagem para assar no forno cogumelos frescos temperados com tomilho, ou endívias inteiras salpicadas com sal e regadas com gotas de balsâmico, e, ainda, mini tomates com folhas de loro frescas..... maximiza os benefícios das comidinhas e absorve ainda mais os sabores das ervas agregadas a cada preparo.

ceviche de pescada, camarões salteados e coco ralado fresco
Há também complementos usados com frequência na cozinha, como dentes de alho picados grosseiramente ou macerados com manjericão e azeite; cebola roxa cortada em lâminas; balsâmico; raspas de limão siciliano; ervas frescas, entre elas sálvia, alecrim, menta, capim-limão, nirá, basílico ....que proporcionam resultados surpreendentes.

Agregar frutas, a exemplo da maçã cortada em cubos ou coco ralado fresco, em receitas com frutos do mar, a exemplo do ceviche - que no meu preparo leva também menta moída e gengibre picado - eleva o prato a outra categoria.
 
ceviche de robalo, camarão salteado mais maçã
Bom, esses são apenas alguns exemplos de distintos preparos que recebem sabores exemplares quando preparados de formas distintas. Mas, além disso, uma dica de que não abro mão (trazida na bagagem da Itália, direto do Borgo Della Colomba) é sempre ter um molho pesto ‘em mãos’. Seja para regar em uma fatia de pão logo pela manhã, como faz o querido Ale ou, ainda, para banhar uma massa ou um testaroli (receita também de Cris e Gianni, que acompanha meus compêndios de receitas).

testaroli
Atualmente, minhas refeições são, em sua maior parte, realizadas na minha cozinha, sempre na companhia da minha cocker Rúbia. Com isso, busco satisfazer meu apetite com os aprendizados do bem-viver, mas sem perder muito tempo com a elaboração, reservando os momentos para degustar com tranquilidade e, literalmente, comendo saúde. 
Rúbia

O que facilita o preparo é que as ervas e as hortaliças saem da minha própria horta, a exemplo do basílico. 



quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Tender Bolinha na área




Natal 2014,
em 23 de dezembro
Para, sempre, termos e sermos ...
‘Certas Esperanças’
Com Saboias, Bassos, Pasqualinis mais Brasils , Ferreiras e os mais que bem-vindos
Agregados


O Natal 2014,
em 23 de dezembro
Para, sempre, sermos e termos ...
‘Certas Esperanças’
Com Saboias, Bassos, Pasqualini mais       Brasils , Ferreiras e os mais que bem-vindos
Agregados
CARDÁPIO
Entradas Beringelas crocantes, finalizadas com castanha-de-caju; Sardela; Pasta de salmão defumado;
FRUTAS DA ESTAÇÃO.
Para Acompanhar Crostini.

Para Começar Tender dourado, servido em fatias sobrepostas com lâminas de legumes grelhados e finalizado com lentilhas da sorte e ervas frescas

Mais Farofa de alho

Para Continuar Pernil  de cordeiro temperado com cinco especiarias, assado morosamente com legumes, chega à mesa dourado, regado com a redução do próprio caldo do cozimento;
Para Acompanhar 









Fettuccini na manteiga, salpicado com queijo parmesão. 

Salada da horta regada com molho cítrico e castanhas.
 Para Adoçar
Torta Banoffi alla Ferreira
Bolo MAIS FELIZ DO MUNDO para felicitarmos ao  Novo Ano que se aproxima de Carla Sabiia e ao Nosso Ano Novo

Natal dos Saboia, Basso, Ferreira, Silka Brasil, Pasqualini e Tempesta
No ranking dos históricos encontros natalinos do Pastifício Dell'Amore, já que ocorre  há mais de uma década, este consta entre os mais divertidos, sarcásticos, repletos de som e fúria, lágrimas e sorrisos...mas, raramente com a ausência de um dos participantes. Tornou-se emblemático. Não só pela diversidade de pessoas - apesar de poucas, mas pela pluralidade de personalidades e histórias diversas. 
Os itens do Cardápio pouco variam. Apenas o modo de preparo, já que sou a encarregada desta etapa. Carla Saboia fica com a decoração. A dupla Marcos Saboia e Felipones se encarregam do Bullying de tudo e todos. 
Desta feita, infelizmente tivemos quatro baixas, não só no que tange às pessoas, mas, também, ao prato que fica a cargo da responsável pelo trio, o tradicional empadão de Bacalhau dos Ferreira, elaborado por uma quituteira de mão cheia,que infelizmente ainda não conheço, mas que vai ter de se comprometer com a Eli Ferreira mais  Zé Carlos Fernandes (respectivamente prima e irmã) de nos passar a receita para aqui ser detalhada. No momento da refeição Não senti falta. mas e o naco do dia seguinte. Este....jamais sairá do desejo.
Bom, já que para mim, atualmente detalhar receitas também se tornou ato de contar histórias que as permeiam, vamos ao ....
Tender Bolinha.
Este naco de presunto em forma de bolinha nunca me atraiu muito. Mas, como faz parte do nosso cardápio, fui em busca de ingredientes  e formas diversas de preparo. Lógico que, como de costume, li uma receita adorável tirada do meu acervo de revistas, de um dos chefs de cozinha de que mais admiro preparos, Salvatore Loi. Mas, no momento do preparo, faltavam 50% dos ingredientes para a finalização da bolinha. Então, usei o princípio de Salvatori Loi e , no mais, segui o instinto: uma peça dourada, sem o doce convencional que domina as os cardápios natalinos. Apenas derreti manteiga e azeite no forno e besuntei a peça, já com cortes permeando-a por inteiro. Besuntei com um pincel a bolinha toda e coloquei no forno por 30 minutos. Passado este tempo, reguei balsãmico na forma, misturando-o à manteiga, e tornei a besuntar. Cobri com alumínio e mais 30  minutos de forno. Tireui, conferi. Deixei descansar. Peguei o pincel e mais uma vez passei-o no caramelo formado no fundo da forma e pintei cada pedacinho do naco de carne. 
Depois, cortei em finas lâminas, reguei com o caldo do fundo da forma, acrescido de um pouco de caldo de legumes na boca do fogão. 
Pois ficou perfeito.
Sem o doce; sem os cravos que a cada mordida incomodam a degustação e só servem para a foto. Com lentilha e farofa de alho harmonizou perfeitamente.

FELIZ NATAL A TODOS COM...CERTAS ESPERANÇAS. SEMPRE. COM AMOR, JOSI. 

sábado, 6 de dezembro de 2014

Bobozinho de mandioca-salsa com camarão mais farofa de dendê...e... 6 ANOS DE BLOG...UEBAAAAAA

Assim como a receita do Bobozinho de camarão elaborado com mandioquinha-salsa remonta aos primeiros cardápios do Pastifício Dell’Amore, onde o quitute em questão era presença constante, o arquivo de delícias aqui relacionadas descrevem não só o passo-a-passo dos preparos, mas, também, as histórias de vidas que no Pastifício Dell’Amore partilharam momentos. Desde o dia 28 de outubro de 2008, com o propósito de detalhar as ‘viagens’ diárias em torno de ingredientes que compunham receitas, cultivos de sementes, mudas, composição de ingredientes, diário que passou a substituir as dezenas e dezenas de cadernos enumerados há anos para que nada se perdesse no tempo......
Fiori de Fillo
Os contos com pitadas de comédia sobre as dezenas de empadões, empadinhas e coxinhas com recheio de frango com queijo provolone produzidos diariamente e vendidos em São Paulo com a ajuda da amada amiga Alessandra Casolari e a mãe Luci. Afinal a renda obtida com as delícias me proporcionaram cursar a faculdade e viver o início de um pedaço de vida na Paulicéia.

Enfim, até as literais viagens para mergulhar a fundo na essência dos pescados (Zimbros, nosso paraíso mediterrâneo), dos insumos, do Agriturismo. Do passar horas e horas corridas sob o sol da Toscana preparando corredores para cultivo de víveres, tendo como base o esterco dos asnos, que é adubo de alta qualidade. 
Rino - Agriturismo Il Borgo Della Colomba

Sem falar nos estudos diários, que, em paralelo à comunicação, me fizeram voar para ‘pilotar’ o fogão para cozinhar, inventando e reinventando a roda  para criar algo a partir do nada......Qual o cardápio do jantar? Abre a geladeira e dá um jeito!!!! É o que temos para hoje!!!!!!
Somados aos estudos práticos, horas e horas diárias, que nunca abandono, em torno de livros escritos por especialistas em massas; pescados; histórias da alimentação...das aulas sobre produção de massas com a amiga Lucia Sequerra....Afinal, não é só com sobras de geladeira que  conseguimos elaborar um jantar dos Deuses, e nem apenas lendo receitas, mas com a soma de esforços para aperfeiçoar nossos aprendizados e com nossas histórias de vida agregadas e compartilhadas. Por fim, vamos à receita do prato, que há mais de dez anos preparo: o Bobozinho de mandioca-salsa com camarão mais farofa de dendê, que fez parte de mais um cardápio ‘PARA BRINDES ENTRE ETERNOS AMIGOS’, com Lorraine e Fanini,  Fernando Flicks e Fabi Moro Martins; Rafaela, Cons e Du, Líria e Hélio, Mara e Cláudio, mais........

Bobozinho de mandioca-salsa com toque tailandês
Ingredientes (para 5 pessoas)
2 kg mais 1/2 de mandioquinha-salsa descascadas;
1 l mais ½ de caldo de camarão, com campim-cidreira mais gergelim picado.
200 ml de leite de coco
Para o Caldo: elaborado previamente com as cascas e cabeças frescas de camarão, lavadas e escorridas; cebolas; alho-poró; salsão; cenoura cortada em cubos;  alho esmagado (3/4 dentes); bulbos de capim-cidreira - talos bem frescos e verdes (umas duas colheres de sopa);  gengibre fresco cortado em cuinhos, com a casca ( 3 colheres); azeite de oliva e um buquê garni (tomilho, salsinha, alecrim, duas folhas de louro fresco (já que tenho o luxo de ‘roubar’ umas folhas da pequena, mas linda árvore da Lu e da Sil). Enrolar as ervas em uma meia casca de alho-poró, amarrar com barbante); um copo de vinho branco seco. Aquecer azeite, agregar cebolas, alho, erva-cidreira, gengibre. Logo em seguida, colocar as aparas de camarões e os legumes.
Ferver, sem deixar borbulhar, por 30 minutos. Escorrer numa peneira fina e reservar.
100 ml de leite de coco;
Noz-moscada, sal e pimenta-branca.
Modo de Preparo
Após o caldo de camarão estar peneirado, aquecer e cozer a mandioquinha-salsa no caldo, cobrindo todos os nacos. De outra forma, finalizar com água morna. Acertar o sal.  Quando estiverem cozidas ao dente, provar o sal, temperar com a noz-moscada e a pimenta-branca. Deixar esfriar e bater no liquidificador com o caldo, que vai estar bem agregado ao tubérculo. Enquanto estiver batendo, para que não force o liquidificador, agregue o leite de coco.
Incorporo bem. Devolva à panela e cubra com filme plástico para não formar uma película por cima.
à parte, lave bem o camarão, escorra e tempere-os com pimenta e sal. Reserve.
Cinco minutos antes de servir, aqueça o bobó de mandioquinha-salsa e agregue os camarões. Deixe-os por, no máximo, cinco minutos no caldo encorpado. De outra forma, não vão preservar a textura.
Salpique em cada porção a farofa de dendê, preparada com 50 ml de dendê, 1 cabeça de alho com os dentes cortados em lâminas e dourados no dendê o lado da uma pimenta fresca, ou seca, mas da horta, de sua preferência.
Acrescente a farinha de mandioca aos poucos, em fogo baixo. É muito fácil de queimar no fundo. Então, mexa rapidamente, acerte o sal e deixe reservada para o momento do preparo.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Com amor e com afeto, fiz seu bolo predileto: Bolo de cerais e frutas frescas

                                                                           Bolo de cerais e frutas frescas



A receita de bolo similar já foi detalhada neste blog, mas, além de sempre incorporar castanhas diversas, finalizações exímias com lâminas de frutas distintas, o Bolo de cerais e frutas frescas preparado pela Lu Martins (Luzinha) sempre chega em momentos especiais, isto é, quando menos esperamos. Além de ser um preparo adequado ao período de festas, pois além de ser belo, incorpora componentes símbolos da cozinha natalina, como as nozes, castanhas, frutas secas mais frescas e...presentes. Sim, presentes, pois morar na Vila - nomeada por nós de Ida em homenagem a senhora Ida, minha querida avó e madrinha - foi o começo de um resgate de uma história de vida, onde os temperos, legumes, hortaliças, flores....brotavam por todos os cantos. Onde sob sol e chuva ela e o vô Constante se dedicavam à horta, que à época, podia ser admirada até o fundo de vale coberto pela Mata Atlântica, que hoje foi aterrado por quem não sabe da terra nada tirar. Anos passaram e cá estamos nós a resgatar, dia após dia, as terras lá no fundo estancadas, cheias de cuidados, mas, com o passar dos anos, escondidas. 
"Com amor e com afeto, fiz seu bolo predileto"
Palavras da própria quituteira Luzinha exemplificam o quanto significa morar aqui, na Vila Ida. Todas as semanas, cá estamos nós, compartilhando saberes, sabores e amores. Trocando afagos por meio de pequenas porções de delícias; de mudas, sejam elas de temperos, de flores, de ervas. Os jardins a cada dia mais resplandescentes, cada morador da Vila responsável por seus cultivos, mas sempre complementados pelas mãos da dupla Carmelino e Kátia, profissionais exímios contratados mensalmente para nos ajudar a dar cor e ainda mais vida aos caminhos que levam ao Pastifício Dell'Amore.
Viver aqui me remete muito ao dia-a-dia dos italianos, que brigam para ter a oliva mais palatável, os legumes mais brilhantes, o sabor mais exultante. Tive nostalgia deste modo de vida amplamente alastrado na Itália ao conversar com um jovem italiano (. Ele e sua esposa, de passagem profissional pelo Brasil, moram em Milão. Mas me relatou que quando está em Milão, ao visitar a família no , na bagagem, os litros de azeite de oliva não podem faltar, já que como os produzidos por eles, na Puglia, são os melhores do país da bota. Os jovens agricultores, que, independente da profissão que optam por seguir, jamais deixam de lado a essência de ser um camponês e referendar os 'frutos' familiares como melhores de que os produzidos na Toscana. Assim como só um verò italiano sabe ser e fazer. 

Ingredientes
·       2 xícaras (chá) de farinha de trigo integral
·    1 xícara (chá) de farinha de trigo branca
·    2 xícaras (chá) de açúcar cristal (eu uso 2 xic. de açúcar mascavo ou 1 xic de acúcar cristal 1 xic de açúcar mascavo)
·    1 xícara (chá) de leite
·    3 ovos
·    3/4 xícara (chá) de óleo
·    1 colher (chá) rasa de canela em pó
·    1 colher (sopa) rasa de fermento químico - para bolos
·     2 maçãs 'fuji
·     1 limão galego
·     1 punhado de ameixas secas descaroçadas picadas
·     1 punhado de uvas passas brancas descaroçadas
·     1 punhado de Castanha do Pará picadas grosseiramente (ou nozes, amêndoas, etc)
Modo de preparo
Fatie as maçãs e deixe marinando no suco do limão com um pouco de açúcar, para não escurecer. Reserve. Envolva as passas, a ameixa e a castanha em farinha para que essas se espalhem uniformemente na massa. Reserve também. Em uma tigela coloque as farinhas, o açúcar, a canela e o fermento. Bata agora no liquidificador os ovos com o óleo e o leite. Junte esse líquido aos ingredientes secos na tigela. Mexa bem à mão. Adicione as frutas secas e as castanhas, mexendo bem para que essas se espalhem pela massa por igual. Despeje em fôrma untada e enfarinhada. Decore com as fatias de maçã, fazendo desenhos. Leve para assar em forno preaquecido. Espete um palito no meio do bolo para saber quando esse está pronto (deve sair seco).

domingo, 19 de outubro de 2014

Massa, instituição da culinária mundial

Quando se trata de comer bem (para saciar a fome e a saúde), em minha opinião, o povo italiano compõe uma instituição da culinária mundial - cultura propagada por todos os continentes e motivadora pela forma que muita gente cozinha aualmente. Os ingredientes frescos, orgânicos, vindos da horta para a mesa difundem, a cada dia, o ato de comer bem, de forma descomplicada, e isso porque a pobreza da Campanha influenciou os pratos mais amados da culinária italiana, os idolatrados cibo poverino.  

Do antipasti (etapa na qual prevalecem os embutidos, queijos, pães, focaccias) ao contorni (legumes, grãos, folhas), a meu ver, a segunda etapa (primo piatto) composta pelas massas nunca desce do pedestal. 
Bom, aqui, no Brasil, comer massa é um deleite tão especial, que não concede espaço para demais fases, pois são servidas em porções tão generosas, ao contrário da dos queridos moradores do país da bota. Refestelamo-nos, cedendo vez apenas para nacos de pão, para enxugar bem o prato diante de um sugo bem elaborado (vero sugo di pomodoro).  

Com certa experiência no preparo das massas artesanais, em minutos o cardápio de um especial almoço de domingo é elaborado: ravioloni artesanal feito com semolina e ovos caipira. Para o recheio e molho, ervas frescas, uma lata de tomates pelados, azeite, queijo parmesão. Os demais componentes podem ser básicos. Para a ocasião, algumas fatias de peito de peru, mussarela, requeijão mais orégano fresco, pendurado em ramos para secar - o aroma é bastante diverso dos comprados já embalados.
Para o preparo da massa, a dica de hoje é a semolina branca (Famiglia Venturelli, de Sertanópolis/PR), que encontrei na Casa do Queijo, em Curitiba, que proporciona elasticidade à massa durante a abertura, sem permitir que abram durante o cozimento, mesmo com a espessura bastante fina. Por um preço justo, a semolina em questão se assemelha à grano duro 00 italiana, que  é fina como um talco e tem menos glúten que a nossa farinha comum, o que deixa a massa mais delicada. A de semolina, que vem da moagem do durum, o mais forte dos trigos, tem alto teor de glúten e resulta em uma massa com mais estrutura (mais firme, mas fácil de manipular).
Para finalizar o prato, um sugo simples, elaborado com uma lata de tomates pelados levemente amassados, nacos de alho e flores de alfavaca, que proporcionam mais perfume à salsa. No mais, cocção morosa até o molho adquirir um vermelho intenso e opulento. 
Para completar, a chuva delícia que cai aqui em Curitiba, na tarde deste domingo, acalenta o calor que predomina na capital mais fria do país tornando o cardápio ainda mais propício, seja nos sabores e nos saberes.




sábado, 12 de julho de 2014

Saborosas lembranças de nossas vidas, com torta inglesa de carne

A vivência profunda com a cultura de um país, que não o de sua origem – ao menos nessa vida -, proporciona viagens rotineiras. Quantas vezes fecho os olhos ao som de uma canção italiana ou, ainda, estou no mais absoluto silêncio, e me sinto lá. O sabor da comida que provei; as tantas vielas por onde andei; as sementes dos legumes,temperos, pimentas... que plantei, colhi, cozinhei, servi e, com todos, saboreei. O cheiro dos borgos vizinhos de onde o leite, carnes....  Eram trazidos. Os minutos em que - ‘na lida’, com o sol a pino - parei para ouvir o badalar dos sinos ecoando em uníssono, provenientes de dezenas de igrejas de vilarejos vizinhos, que, sem nem serem avistadas, emanavam suas energias por entre as colinas, onde o olhar se perdia em meio ao verde. É essa atmosfera que tento incorporar em cada refeição que elaboro e em cada ingrediente que desvendo na cozinha.
O mundo pode estar, sim, na nossa cozinha.  Basta aliar, ao ato de cozinhar, a pesquisa, seja por meio da leitura e também da prova incansável do uso das ervas frescas, especiarias, ponto de cocção ....
Depois sim, o nosso toque pessoal se torna o álibi para o resultado perfeito, com nossa marca registrada. E assim o é com receitas italianas, francesas, inglesas, portuguesas e das mais diversas regiões do nosso Brasil. A última investida foi com a torta Inglesa de carne. Após duas execuções, ao lembrar do sabor, a vontade é de já prepara-la novamente.
A influência britânica sobre a vida, a paisagem e a cultura do Brasil foi largamente estudada por GilbertoFreyre - , que define as relações entre a Grã-Bretanha e o Brasil ainda semicolonial como "mais ou menos imperiais". E cita, entre os efeitos da influência, “o terno branco, o chá, a cerveja e o uísque, o bife com batatas, o pijama de dormir, o tênis e o futebol, a capa de borracha, os piqueniques, o escotismo, o lanche e o sanduíche”.
Em minha opinião, no âmbito da gastronomia, a cerveja é o ícone, e sem uma das versões dela, a torta inglesa não seria a mesma, já que a carne, cortada em nacos grandes, após temperada com especiarias, é cozida em cerveja, mas deve ser uma escura e de respeito.
Para começar, aviso, o recheio dessa deve ser um ritual. 
Ingredientes
1,5 kg de peito de boi livre de toda gordura e nervos, cortados em cubos grandes. Preserve os ossos para cozê-los com a carne e legumes
2 cenouras picadas em cubinhos
2 bulbos de alho poró1 maço de salsinha fresca moída, inclusive com os talos
4 cebolas cortadas grosseiramente
2 bulbos de salsão bem picados
Dentes de alho em finas lâminas. Gosto de colocar praticamente uma ‘cabeça’, com todos os dentes de alho.
300 gramas de ervilhas frescas
1 colher de Páprica picante
Cominho
Canela em pó
Sal e pimenta do reino
Especiarias para temperar a carne
1 litro de caldo de carne
1/2 litro de cerveja escura
4 colheres de farinha de trigo para engrossar o recheio antes de dispor sobre a massa já esticada
2 colheres de sopa de manteiga
Azeite de oliva (para dourar cebola e alho juntamente com a manteiga
Massa folhada. No caso, comprei massa folhada para pastel. Desta forma, a massa ficará bem fina, e não predominará na torta, já que é adquirida fina, depois aberta no rolo, com farinha de trigo







Modo de preparo
Recheio - após limpar a peça de peito de boi, cortá-la em cubos grandes para que marquem a presença com seu sabor delicado e também para que não ressequem durante o cozimento. Junto os ossos da peça, tempere com sal, pimenta do reino, cominho, canela e páprica picante. Reserve; 
- Em panela de pressão grande aquecer o azeite e a manteiga. Murchar o alho, cebola e pimenta seca. Depois, agregar salsão picado finamente, os cubinhos de cenoura e cozer por mais alguns minutos em fogo baixo
- Agregar os cubos de carne temperados mais os ossos, cobrir com a cerveja e 50% do caldo de carne. Espere pegar pressão e cozinhe por cerca de 20 minutos;
- Abra a panela para  conferir ponto do sal e textura da carne.
- Se ainda não estiver macia, coloque mais caldo de carne e finalize o cozimento com a panela destampada;
- quando sentir que está macia, sem estar se desmanchando, agregue a farinha de trigo dissolvida no caldo de carne, misture bem e cozinhe para que o sabor da farinha não predomine. após uns 5/6 minutos, agregue as ervilhas, que podem até estar congeladas.
- Na bancada coberta de farinha, abra a massa com rolo, esticando uniformemente. 
- Passe manteiga em uma travessa, estique a massa deixando 60% dela para fora, que será a cobertura da torta. Distribua o recheio, dobre a massa, e molde as bordas. Bata a gema de um ovo, faça dois ou três cortes na massa para que o ar saia. com um pincel, espalhe a gema batida por toda a torta. e forno aquecido, ase por cerca de 20 minutos.  
Gilberto Freyre
"As mangueiras
o telhado velho
o pátio branco
as sombras da tarde cansada
até o fantasma da judia rica
tudo esta à espera do romance começado
um dia sobre os tijolos soltos
a cadeira de balanço será o principal ruído
as mangueiras
o telhado
o pátio
as sombras
o fantasma da moça
tudo ouvirá em silêncio o ruído pequeno."